Início > Literatura, Livros que Li > Livros que Li: A Bússola de Ouro (Trilogia Fronteiras do Universo)

Livros que Li: A Bússola de Ouro (Trilogia Fronteiras do Universo)

Acho que muita gente já ouviu falar pelo menos do primeiro livro da série, A Bússola de Ouro, infelizmente por ter resultado num equivocado filme (pelo que li de alguns críticos) estrelado por Nicole Kidman e Daniel Craig (o novo 007). O que vou falar aqui é exclusivamente sobre os livros.

A série, chamada “His Dark Materials” em inglês, conta com os livros: A Bússola de Ouro, A Faca Sutil e A Luneta Âmbar (Northern Lights, The Subtle Knife e The Amber Spyglass no original). O autor, o inglês Phillip Pullman, usou de uma fantástica imaginação e criou uma história complexa, rica em detalhes, com vários fragmentos que, não parece, mas são unidos e farão total sentido no final.

No primeiro livro, A Bússola de Ouro, conhecemos uma protagonista orfã de apenas 12 anos, Lyra, que é mestre em inventar histórias, no melhor estilo malandro que os brasileiros conhecem e, de repente, se vê no meio de uma complicada e misteriosa trama onde estão envolvidos os maiores poderes do mundo em que vive. A personagem é muito bem construída e complexa e conquista o leitor, através da leitura ela transpassa suas descobertas, medos, dúvidas, alegrias e tristezas.

Esse mundo que ela habita não é o que conhecemos, Pullman demonstra toda sua habilidade como narrador e cria um ambiente fantástico e ricamente detalhado sem ser redundante e excessivamente descritivo. É uma espécie de universo paralelo meio com clima vanguardista, muito parecido com o nosso, como se o planeta fosse o mesmo, até mesmo com alguns nomes de cidades iguais, como Oxford. A diferença reside principalmente nas questões tecnológicas e políticas: em vez de aviões e carros temos Zeppelins e carroças. Apesar desse aparente atraso tecnológico a trama revela o domínio da física quântica por alguns membros do chamado Magisterium e é aí que reside a polêmica desse primeiro livro que conquistou o Guardian Children’s Fiction Prize e o Carnegie Prize. Essa entidade é a igreja do mundo de Lyra e ela domina a política e é responsável pelas maiores atrocidades do livro: o rapto de crianças e a destruição de sua “alma” (que aparece no livro mais no sentido de consciência). Apesar desse ataque por parte de algumas religiões à história eu penso, realmente, que é uma bobagem. Fica claro que se trata de outra história e praticamente nada tem em comum com as religiões do mundo real.

Essa alma é outra palavra-chave em “A Bússola de Ouro”. Na história todas pessoas possuem a alma (chamada de daemon) exteriorizada ao corpo e materializada na forma de um animal que sempre a acompanha. Esse animal varia de um indivíduo para outro (podendo ser cachorro, gato, macaco etc.) de acordo com sua consciência e, assim sendo, é possível que se tenha uma ideia da personalidade da pessoa a partir do tipo de animal que é seu daemon. Essa invenção é outra excelente sacada do autor, que nos apresenta um Pantalaimon, o daemon de Lyra, tão formidável e carismático quanto ela. De resto eu nada vou revelar para não entregar a história (ainda mais).

No primeiro volume da série Pullman cria uma história fantástica, mas ainda é uma parte muito pequena dela, e a mais simples. Pode parecer meio boba e um pouco infantil no começo, mas recomendo a leitura e a persistência (não é NADA difícil persistir) para o seguimento dos outros dois livros, que são ainda melhores que esse. Eu vejo esta primeira parte mais como uma introdução da história e como uma ambientação ao universo magnífico criado. No decorrer da série o leitor se verá envolto num cenário ainda mais fantástico e imerso em um clima no qual não desejará parar de virar as páginas e acordar.

Fica a dica e a indicação. Em postagens futuras falarei dos próximos volumes.

Leia sobre o Volume 2: A Faca Sutil.

Leia sobre o Volume 3: A Luneta Âmbar.

HOME

Confira o CONTEÚDO DO BLOG por ordem de popularidade.

Veja mais críticas

Anúncios
  1. van
    abril 20, 2013 às 22:34

    Achei quando assisti o filme a muitos anos,que a idéia era toda muito interessante, mas achei que o filme ele mesmo, deixava a desejar.Fiquei encantada com a possibilidade de uma consciência fora do corpo com a qual você pudesse se relacionar.Vou aproveitar as férias para ler os livros nas férias…e quem sabe recomendar para meus sobrinhos….obrigada pela dica….Van

  2. abril 22, 2014 às 18:30

    E muito legal esse filme e a hestoria

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: